sábado, 31 de março de 2018

Super-Terra potencialmente habitável é encontrada

A caça por habitabilidade fora do nosso Sistema Solar está em curso e não vai abrandar tão cedo.

ilustração de três planetas orbitando uma estrela anã vermelha

© NASA/JPL-Caltech (ilustração de três planetas orbitando uma estrela anã vermelha)

A busca de exoplanetas não apenas promove a busca por vida extraterrestre, mas também nos ajuda a entender a formação e evolução de objetos celestes, incluindo aqueles próximos da Terra.

Com a ajuda de telescópios espaciais e terrestres, um grupo de pesquisadores que examinou estrelas anãs vermelhas perto da Terra identificou 15 novos exoplanetas, e um deles tem o potencial de hospedar água líquida.

A equipe de pesquisadores, liderada por Teruyuki Hirano, do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias do Instituto de Tecnologia de Tóquio, usou dados da sonda Kepler e observações do telescópio óptico Nórdico da Espanha e do telescópio Subaru no Havaí para realizar o estudo.

O destaque do estudo é K2-155, uma anã vermelha brilhante localizada a cerca de 200 anos-luz de distância da Terra. Os pesquisadores encontraram três super-Terras (planetas maiores que a Terra, mas menores que Netuno) orbitando a estrela, com o planeta mais distante, K2-155d, potencialmente em sua zona habitável. Medindo o raio do K2-155d, que é estimado em cerca de 1,6 vezes o raio da Terra, e usando uma simulação climática global 3-D, foi descoberto que é altamente provável que a água líquida possa existir em sua superfície.

No entanto, a equipe não pode dizer isso com certeza, porque o raio e a temperatura não medidos de sua estrela anfitriã podem afetar a habitabilidade do K2-155d, que também depende das suposições que entram na simulação. "Em nossas simulações, a atmosfera e a composição do planeta foram assumidas como sendo semelhantes à Terra, e não há garantia de que este seja o caso", disse Hirano.

Além de estudar o K2-155d, a equipe avaliou as semelhanças e diferenças entre planetas que orbitam estrelas do tipo solar, como o Sol, e planetas que orbitam anãs vermelhas. Eles descobriram que ambos os tipos de sistemas têm intervalos de raio semelhantes entre seus planetas, o que significa que nenhum deles é capaz de abrigar planetas com raios entre 1,5 a 2 vezes o da Terra. Os pesquisadores acreditam que esta lacuna pode ser devida à fotoevaporação, que livra os planetas do envelope externo da atmosfera se eles ficarem muito próximos da estrela hospedeira, liberando massa no processo.

Os pesquisadores também procuraram correlações entre a metalicidade (a quantidade de elementos mais pesados ​​que o hélio que eles contêm) de uma estrela hospedeira e os raios dos planetas em torno dela. Eles descobriram uma ausência de planetas grandes ao redor de estrelas hospedeiras com baixa metalicidade, como esperado. "Grandes planetas só são descobertos em torno de estrelas ricas em metal. E o que encontramos foi consistente com nossas previsões. Os poucos planetas com um raio de cerca de três vezes o da Terra foram encontrados em órbita das anãs vermelhas mais ricas em metal", disse Hirano.

Olhando para o futuro, os pesquisadores esperam usar o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, com lançamento previsto para 16 de abril, para realizar investigações de acompanhamento e observar órbitas e atmosferas planetárias em maior detalhe.

Os resultados foram publicados em dois artigos no periódico The Astronomical Journal.

Fonte: Astronomy

quinta-feira, 29 de março de 2018

Uma nebulosa na sombra da Cabeça de Cavalo

Esculpida por uma estrela jovem e brilhante nas poeirentas nuvens moleculares de Órion, a NGC 2023 é frequentemente negligenciada em favor da silhueta dramática próxima da Nebulosa Cabeça de Cavalo.

NGC 2023

© Star Shadows Remote Observatory (NGC 2023)

Por si só, é vista como uma linda estrela formando nebulosas de emissão e reflexão, a meros 1.500 anos-luz de distância. Filamentos surpreendentemente coloridos e complexos são detalhados neste retrato raro da NGC 2023. Pontos de emissão dispersos também são objetos Herbig-Haro da região, associados aos jatos energéticos das estrelas recém-nascidas.

A visão telescópica abrange cerca de 10 anos-luz a uma distância estimada da NGC 2023. Na borda direita da imagem, encontra-se a mais familiar Cabeça de Cavalo cósmica.

Fonte: NASA

A ausência de matéria escura em galáxia

A matéria escura geralmente estão presentes em galáxias.

NGC 1052-DF2

© Hubble (NGC 1052-DF2)

Entretanto, os pesquisadores ficaram surpresos quando descobriram uma galáxia que está perdendo a maior parte, se não toda, sua matéria escura. Uma substância invisível, a matéria escura é o andaime subjacente sobre o qual as galáxias são construídas. É a cola que mantém a matéria visível nas galáxias, estrelas e gás juntos.

Esta substância invisível e misteriosa é o aspecto mais dominante de qualquer galáxia. Então, encontrar uma galáxia sem ela é inesperado. Ela desafia as ideias estabelecidas de como as galáxias funcionam e mostra que a matéria escura é real: tem sua própria existência além de outros componentes das galáxias. Este resultado também sugere que pode haver mais de uma maneira de formar uma galáxia.

A única galáxia, chamada NGC 1052-DF2, contém no máximo 1/4 da quantidade de matéria escura que os astrônomos esperavam. A galáxia é tão grande quanto a Via Láctea, mas contém apenas 1/200 do número de estrelas. Dado o tamanho grande e a aparência fraca do objeto, os astrônomos classificam a NGC 1052-DF2 como uma galáxia difusa. Uma pesquisa de 2015 do aglomerado de galáxias de Coma mostrou que estes objetos grandes e fracos são surpreendentemente comuns.

Mas nenhuma das galáxias difusas descobertas até agora foi encontrada com falta de matéria escura. Então, mesmo entre esta classe incomum de galáxia, a NGC 1052-DF2 é excêntrica.

Os astrônomos avistaram a galáxia com o Dragonfly Telephoto Array, um telescópio construído sob encomenda no Novo México que eles projetaram para encontrar estas galáxias fantasmagóricas. Eles então usaram o Observatório W.M. Keck, no Havaí, para medir os movimentos de 10 agrupamentos gigantes de estrelas chamados aglomerados globulares na galáxia. O Keck revelou que os aglomerados globulares estavam se movendo a velocidades relativamente baixas, a menos de 37.000 quilômetros por hora. Estrelas e aglomerados na periferia de galáxias contendo matéria escura se movem pelo menos três vezes mais rápido. A partir destas medições, a equipe calculou a massa da galáxia.

Em seguida, os pesquisadores usaram o telescópio espacial Hubble e o Observatório Gemini, no Havaí, para descobrir mais detalhes sobre a galáxia única. O Gemini revelou que a galáxia não mostra sinais de interação com outra galáxia. O Hubble ajudou-os a identificar melhor os aglomerados globulares e a medir uma distância exata da galáxia.

A galáxia fantasmagórica não tem uma região central perceptível, ou mesmo braços em espiral e um disco, características típicas de uma galáxia espiral. Mas também não parece uma galáxia elíptica. A galáxia também não mostra evidências de que abriga um buraco negro central. Com base nas cores de seus aglomerados globulares, a galáxia tem cerca de 10 bilhões de anos. Mesmo os aglomerados globulares são excêntricos: são duas vezes maiores que os aglomerados estelares típicos vistos em outras galáxias.

A NGC 1052-DF2 reside a 65 milhões de anos-luz de distância da Terra em uma coleção de galáxias que é dominada pela gigantesca galáxia elíptica NGC 1052. A formação da galáxia é turbulenta e violenta, sugerindo que o crescimento da galáxia massiva e incipiente, que ocorreu bilhões de anos atrás, talvez tenha desempenhado um papel na deficiência de matéria escura da NGC 1052-DF2.

Outra ideia é que o gás que se move em direção a galáxia elíptica NGC 1052 pode ter fragmentado e formado a NGC 1052-DF2, auxiliado por poderosos ventos emanados do jovem buraco negro que estava crescendo no centro da NGC 1052. Estas possibilidades são especulativas, no entanto, e não explicam todas as características da galáxia observada.

A equipe já está procurando por mais galáxias deficientes em matéria escura. Eles estão analisando imagens do Hubble de 23 outras galáxias difusas. Três delas parecem semelhantes a NGC 1052-DF2.

Os resultados foram publicados hoje na revista Nature.

Fonte: Space Telescope Science Institute

terça-feira, 27 de março de 2018

Um outro Mercúrio, mas grande como a Terra

Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo nove do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) de Portugal, descobriu um planeta extrassolar que pode dar pistas sobre a formação do Sistema Solar.

ilustração de um exoplaneta orbitando próximo da sua estrela

© ESO/L. Calçada (ilustração de um exoplaneta orbitando próximo da sua estrela)

O exoplaneta é em tamanho muito semelhante à Terra, mas tem duas vezes e meia a massa do nosso planeta, o que o torna afinal muito mais denso e, na sua composição global, mais parecido com Mercúrio. Um planeta descoberto à distância de 340 anos-luz da Terra poderá esclarecer as peculiaridades do planeta mais perto do Sol.

O planeta K2-229b atraiu a atenção da equipe pelo tamanho muito semelhante ao da Terra. Porém, o seu núcleo metálico deverá perfazer 68% da massa, comparado com menos de um terço no caso da Terra. Este resultado não seria possível tendo em conta a composição química da estrela progenitora, comenta Vardan Adibekyan (IA e Universidade do Porto), um dos autores do estudo e que contribuiu para a caracterização química da estrela K2-229.

Esta estrela é um pouco mais nova e menos massiva que o nosso Sol e tem uma proporção ligeiramente menor de outros elementos químicos mais pesados que o hidrogênio e o hélio. Esta incongruência entre estrela e planeta é a primeira detectada num sistema extrassolar, mas mesmo à nossa porta, em Mercúrio, verifica-se algo semelhante.

A Terra, Marte e Vênus, assim como o Sol, partilham a mesma abundância relativa de certos elementos químicos, como o ferro, o magnésio ou o silício. “Mercúrio é diferente e pensa-se que algum processo externo tenha alterado significativamente a sua composição. Agora encontramos um planeta que apresenta a mesma particularidade, a de ter uma composição diferente da que seria de esperar a partir da composição da sua estrela hospedeira,” diz Vardan Adibekyan.

A equipe espera que a descoberta de outros planetas do mesmo gênero possa ajudar a perceber melhor como é que planetas como Mercúrio se formaram e evoluíram. Poderá até complementar os dados de missões a este corpo no limite interior do Sistema Solar, como a Messenger e a futura BepiColombo, que será lançada neste ano.

Para Susana Barros (IA e Universidade do Porto), que contribuiu para a detecção e caracterização do planeta K2-229 b, ele faz parte de uma classe de planetas muito interessante. “É do tipo terrestre mas orbita extremamente perto da sua estrela, algo surpreendente, já que não existem no Sistema Solar. Este é outro excelente exemplo de como a descoberta de planetas extrassolares pode ajudar a compreender a formação do nosso Sistema Solar.”

De fato, as semelhanças com Mercúrio terminam aqui. O K2-229 b orbita muito mais próximo da sua estrela, completando uma volta em apenas 14 horas (um ano em Mercúrio dura 88 dias terrestres). Já a sua temperatura durante o dia é mais de quatro vezes superior à da face diurna do menor planeta do Sistema Solar, podendo atingir os 2.000 graus Celsius, o suficiente para fundir ferro.

No sistema K2-229 foram identificados dois outros planetas, K2-229c e K2-229d. Este sistema planetário foi detectado através dos dados do telescópio espacial Kepler, da NASA, e confirmado e caracterizado com o espectrógrafo HARPS, do ESO.

Um artigo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O curioso caso de uma supernova rica em cálcio

Esta imagem captada pela Advanced Camera for Surveys (ACS) do telescópio espacial Hubble mostra a galáxia espiral NGC 5714, localizada a cerca de 130 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação de Boötes (o Pastor).

The curious case of calcium-rich supernovae

© Hubble (NGC 5714)

A NGC 5714 é classificada como uma galáxia espiral Sc, mas seus braços espirais são quase impossíveis de serem vistos, já que ela se apresenta em um ângulo quase perfeitamente de lado.

Descoberta por William Herschel em 1787, a NGC 5714 foi anfitriã de um evento raro e fascinante em 2003. Uma débil supernova apareceu a cerca de 8.000 anos-luz abaixo da protuberância central da NGC 5714. As supernovas são as enormes e violentas explosões de estrelas agonizantes. Uma supernova que explodiu na NGC 5714 - não visível nesta imagem - foi classificada como uma supernova Tipo Ib/c e denominada SN 2003dr. Foi particularmente interessante porque seu espectro mostrou fortes assinaturas de cálcio.

As supernovas ricas em cálcio são raras e, portanto, de grande interesse. Os astrônomos ainda tentam explicar estas explosões específicas, já que sua existência representa um desafio tanto observacional quanto para a teoria. Em particular, sua aparência fora das galáxias, sua baixa luminosidade em comparação com outras supernovas, e sua rápida evolução ainda são questões abertas para os pesquisadores.

Fonte: NASA

domingo, 25 de março de 2018

Explore o cosmos com ESASky

Conheça o ESASky, um portal de descoberta que fornece acesso total a todo o céu.

ESASky

© ESA (ESASky)

Esta aplicação de ciência aberta permite que usuários de computadores, tablets e dispositivos móveis visualizem objetos cósmicos próximos e distantes ao longo do espectro eletromagnético.

Um inovador atlas celestial, a aplicação ESASky, baseada na Internet, oferece aos astrônomos profissionais e amadores uma maneira fácil de acessar os dados científicos de alta qualidade. Contém mais de meio milhão de imagens, 300.000 espectros e mais de um bilhão de fontes de catálogos.

Dos raios gama aos comprimentos de onda de rádio, a aplicação científica permite aos utilizadores explorar o cosmos com dados de uma dúzia de missões espaciais dos arquivos astronômicos das missões da frota espacial da ESA, bem como de algumas missões da NASA e da JAXA. O ESASky não requer conhecimento prévio de cada missão em particular.

A aplicação ESASky possui uma interface de exploração de todo o céu. Os usuários podem facilmente focar qualquer lugar do céu para visualizar a estrela, a galáxia ou outro objeto cósmico do seu interesse e recuperar os dados relevantes captados naquela área do céu, com apenas alguns cliques. Além disso, podem comparar observações da mesma fonte realizada em diferentes comprimentos de onda com diferentes missões espaciais. Por exemplo, os dados de infravermelho distante do observatório espacial Herschel podem ser combinados com observações do observatório de raios X XMM-Newton.

A ferramenta também pode ser usada para ajudar a preparar futuras observações com o telescópio espacial James Webb, comparando a porção relevante do céu como observada pelo telescópio espacial Hubble ou por qualquer uma das outras missões incluídas no ESASky.

Existem muitas opções para visualizar e acessar os dados astronômicos com o ESASky. Vestígios interativos do campo de visão de cada instrumento no céu, fontes de catálogo, informações adicionais sobre cada observação e trajetórias de objetos do Sistema Solar podem ser combinadas e exibidas.

A plataforma promove colaborações entre cientistas, já que os usuários podem inspecionar uma região do céu, partilhá-la com colegas e descarregar todos os dados sem ter de fazer login ou se registar, simplificando ainda mais o acesso aos arquivos de dados.

O ESASky contém dados de mais de um milhão de observações astronômicas coletadas desde 1978. As fontes cósmicas variam de planetas, satélites e cometas a estrelas, o meio interestelar que permeia a nossa Via Láctea e outras galáxias além da nossa.

A partir de março de 2018, a plataforma incorpora dados de missões anteriores e atuais da ESA, como EXOSAT, Gaia, Herschel, Hipparcos, telescópio espacial Hubble, Explorador Ultravioleta Internacional, INTEGRAL, Observatório Espacial de Infravermelho (ISO), Planck, e XMM-Newton. Também inclui dados dos telescópios espaciais Chandra da NASA e Suzaku da NASA/JAXA.

A versão mais recente do ESASky, lançada no mês passado, inclui acesso a publicações científicas. Ao clicar num ícone específico, é possível abrir a lista de publicações disponíveis para cada objeto, dirigindo-se diretamente à publicação no Sistema de Dados Astrofísicos da NASA.

O ESASky está em desenvolvimento contínuo. Novas funcionalidades e conjuntos de dados serão adicionados em versões futuras para tornar a aplicação mais robusta e completa. As próximas versões fornecerão uma melhor usabilidade para telefones celulares e a possibilidade de procurar mudanças ao longo do tempo em qualquer área do céu que tenha sido observado mais de uma vez.

Fonte: ESA

Descoberta Nova Carinae 2018

Quão brilhante será a Nova Carinae 2018? A nova nova foi descoberta apenas na semana passada.

localização da Nova Carinae 2018

© A. Maury/J. Fabrega (localização da Nova Carinae 2018)

A recente nova foi descoberta apenas na semana passada.

Embora novas ocorram com frequência em todo o Universo, esta nova, catalogada como ASASSN-18fv, é tão incomumente brilhante nos céus da Terra que agora é facilmente visível através de binóculos no hemisfério sul. Identificada pela seta, a nova ocorre perto da direção da pitoresca Nebulosa Carina.

Uma nova é tipicamente causada por uma explosão termonuclear na superfície de uma estrela anã branca que está acumulando matéria de uma companheira binária, embora os detalhes desta explosão sejam atualmente desconhecidos.

Os astrônomos profissionais e amadores estarão monitorando esta incomum explosão estelar nas próximas semanas, procurando ver como a Nova Carinae 2018 evolui, incluindo se ela se torna brilhante o suficiente para ser vista a olho nu.

Fonte: American Association of Variable Star Observers

A próxima missão científica da ESA focalizará na natureza dos exoplanetas

A natureza dos planetas em órbita de estrelas em outros sistemas será o foco da quarta missão científica de classe média da ESA, a ser lançada em meados de 2028.

ilustração de um sistema exoplanetário

© NASA/Ames/JPL-Caltech (ilustração de um sistema exoplanetário)

ARIEL (Atmospheric Remote-sensing Infrared Exoplanet Large-survey), a missão que engloba um grande estudo de exoplanetas através da detecção remota atmosférica por infravermelhos, foi selecionada pela ESA como parte do seu plano de Visão Cósmica.

A missão aborda um dos temas primordiais da Visão Cósmica: quais são as condições para a formação de um planeta e o surgimento de vida?

Já foram descobertos milhares de exoplanetas com uma enorme variedade de massas, tamanhos e órbitas, mas não existe um padrão aparente que ligue estas características à natureza da estrela principal. Em particular, existe uma lacuna no nosso conhecimento de como a química do planeta está ligada ao meio onde este se formou, ou se o tipo de estrela hospedeira impulsiona a física e a química da evolução do planeta.

ARIEL abordará questões fundamentais sobre a composição dos exoplanetas e como os sistemas planetários se formam e evoluem, analisando as atmosferas de centenas de planetas que orbitam diferentes tipos de estrelas, permitindo avaliar a diversidade de propriedades de ambos os planetas individuais e dentro das populações.

As observações destes mundos darão uma visão sobre os estágios iniciais da formação planetária e atmosférica e a sua subsequente evolução, contribuindo para colocar o nosso Sistema Solar em contexto.

A missão focalizará em planetas temperados e quentes, que vão desde super-Terras até gigantes de gás que orbitam perto das suas estrelas progenitoras, aproveitando as suas atmosferas bem misturadas para decifrar a sua composição em massa.

ARIEL medirá as impressões químicas das atmosferas à medida que o planeta cruza em frente à sua estrela hospedeira, observando a quantidade de obscurecimento com um nível de precisão de 10 a 100 partes por milhão em relação à estrela.

Além de detectar sinais de ingredientes bem conhecidos, como vapor de água, dióxido de carbono e metano, também poderá medir compostos metálicos mais exóticos, colocando o planeta no contexto do ambiente químico da estrela hospedeira.

Para um número seleto de planetas, ARIEL também realizará um levantamento profundo dos seus sistemas de nuvens e estudará variações atmosféricas sazonais e diárias.

O telescópio de classe métrica de ARIEL funcionará em comprimentos de onda visíveis e infravermelhos. Será lançado no novo foguete Ariane 6 da ESA, a partir do porto espacial da Europa, em Kourou, em meados de 2028. Operará a partir de uma órbita em torno do segundo ponto de Lagrange, L2, 1,5 milhões de quilômetros diretamente "atrás" da Terra, visto do Sol, numa missão inicial de quatro anos.

A missão ARIEL foi escolhida entre três candidatos, competindo contra a missão de física de plasma espacial Thor (Turbulence Heating ObserveR) e a missão de astrofísica de alta energia Xipe (X-ray Imaging Polarimetry Explorer).

Solar Orbiter, Euclid e Plato já foram selecionadas como missões de classe média.

Fonte: ESA

'Oumuamua veio provavelmente de um sistema binário

Uma nova pesquisa sugere que 'Oumuamua, o objeto rochoso identificado como o primeiro asteroide interestelar confirmado, provavelmente veio de um sistema binário.

ilustração do 'Oumuamua

© Joy Pollard/Gemini Observatory (ilustração do 'Oumuamua)

Um sistema binário, ao contrário do nosso Sol, tem duas estrelas em órbita de um centro comum.

Para o novo estudo, os pesquisadores decidiram testar quão eficientes são os sistemas binários no que se refere a expulsar objetos. Também analisaram quão comuns são estes sistemas estelares na Galáxia.

Descobriram que objetos rochosos como 'Oumuamua são, muito provavelmente, originários de estrelas duplas, em vez de sistemas com uma única estrela. Também foram capazes de determinar que os objetos rochosos são ejetados de sistemas binários em números comparáveis ao dos objetos gelados.

"É realmente estranho que o primeiro objeto que vemos, oriundo do exterior do nosso Sistema Solar, seja um asteroide, porque um cometa é muito mais fácil de avistar e o Sistema Solar expulsa muitos mais cometas do que asteroides," afirma Alan Jackson, pós-doutorado do Centro de Ciências Planetárias da Universidade de Toronto Scarborough em Ontario, Canadá.

Assim que determinaram que os sistemas binários são muito eficientes em expulsar objetos rochosos, e que existe um número suficiente deles, ficaram convencidos que 'Oumuamua muito provavelmente veio de um sistema com duas estrelas. Também concluíram que provavelmente veio de um sistema com uma estrela relativamente quente e massiva, dado que tal sistema teria um maior número de objetos rochosos mais próximos.

A equipe sugeriu que o asteroide muito provavelmente foi ejetado do seu sistema binário durante algum momento da formação dos planetas.

'Oumuamua, palavra havaiana para "batedor", foi detectado pela primeira vez pelo Observatório Haleakala no Havaí no dia 19 de outubro de 2017. Com um raio de 200 metros e viajando a uma incrível velocidade de 30 km/s, passou a cerca de 33 milhões de quilômetros da Terra.

Quando foi descoberto, os cientistas inicialmente assumiram que o objeto era um cometa, um dos inúmeros objetos gelados que liberam gás quando aquecem ao se aproximarem do Sol. Mas não mostrava nenhuma atividade cometária à medida que o fazia, pelo que foi rapidamente reclassificado como um asteroide, o que significa que é rochoso.

Os pesquisadores também estavam bastante seguros de que vinha de fora do nosso Sistema Solar, com base na sua trajetória e velocidade. Uma excentricidade de 1,2 caracterizando o seu percurso como uma órbita hiperbólica aberta e uma velocidade tão alta significavam que não estava vinculado à gravidade do Sol. A órbita de 'Oumuamua tem a maior excentricidade já observada para um objeto que passa pelo nosso Sistema Solar.

Permanecem grandes questões acerca de 'Oumuamua. Para os cientistas planetários, a capacidade de observar objetos como este pode fornecer pistas importantes sobre como a formação planetária funciona em outros sistemas estelares.

"Da mesma forma que usamos os cometas para melhor entender a formação dos planetas do nosso Sistema Solar, talvez este objeto curioso nos possa contar mais sobre como os planetas se formam em outros sistemas."

Um artigo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Royal Astronomical Society

sábado, 24 de março de 2018

Uma ilha empoeirada no Universo

A galáxia NGC 253 é uma das galáxias espirais mais brilhantes visíveis e também uma das mais empoeiradas.

NGC 253

© S. Cancelli/P. Mortfield (NGC 253)

Alguns chamam esta galáxia de Galáxia do Dólar de Prata, devido à sua aparência em pequenos telescópios, ou apenas de Galáxia do Escultor, devido à sua localização na constelação do Sculptor.

A NGC 253 foi descoberta em 1783 pela matemática e astrônoma Caroline Herschel.Esta galáxia localiza-se a cerca de 10 milhões de anos-luz de distância da Terra. Com cerca de 70 mil anos-luz de diâmetro, a NGC 253 é o maior membro do Grupo de Galáxias do Sculptor, o aglomerado de galáxias mais próximo do Grupo Local de Galáxias onde está a Via Láctea.

Além das faixas espirais de poeira, filamentos de poeira podem também ser vistos surgindo do disco galáctico repletos de jovens aglomerados de estrelas e de regiões de formação de estrelas que ficam evidentes nesta imagem. A alta concentração de poeira permite uma agitada formação de estrelas, dando à NGC 253 a designação de uma galáxia de explosão de estrelas.

A NGC 253 também é conhecida por ser uma fonte intensa de raios X e raios gama de alta energia, provavelmente devido ao buraco negro massivo que existe em seu centro.

Fonte: NASA

quinta-feira, 22 de março de 2018

Oceanos de Marte formaram-se mais cedo devido às erupções vulcânicas

Um novo cenário que procura explicar como os oceanos putativos de Marte surgiram e desapareceram nos últimos 4 bilhões de anos acarreta que estes se formaram várias centenas de milhões de anos mais cedo e não eram tão profundos quanto se pensava.

oceanos Arabia e Deuteronilus

© UC Berkeley/R. Citron (oceanos Arabia e Deuteronilus)

A imagem acima mostra o possível aspeto do antigo oceano conhecido como Arabia (esquerda), quando se formou há 4 bilhões de anos em Marte, enquanto o oceano Deuteronilus, com cerca de 3,6 bilhões de anos, tinha uma costa menor. Ambos coexistiram com a gigantesca província vulcânica de Tharsis, localizado no lado oposto do planeta (não visível), o que poderá ter ajudado a suportar a existência de água líquida.

A proposta dos geofísicos da Universidade da Califórnia em Berkeley, EUA, liga a existência de oceanos no início da história de Marte com o aparecimento do maior sistema de vulcões do Sistema Solar, Tharsis, e destaca o papel fundamental desempenhado pelo aquecimento global ao permitir a existência de água líquida em Marte.

Aqueles que alegam que Marte nunca teve oceanos de água líquida geralmente apontam para o fato de que as estimativas do tamanho dos oceanos não lidam bem com as estimativas da quantidade de água que poderá estar escondida como pergelissolo subterrâneo e com as estimativas da quantidade de água perdida para o espaço. Estas são as opções principais, uma vez que as calotas polares não contêm água suficiente para preencher um oceano.

O novo modelo propõe que os oceanos se formaram antes ou ao mesmo tempo que a maior característica vulcânica de Marte, Tharsis, em vez de depois de Tharsis se ter formado há 3,7 bilhões de anos. Como Tharsis era menor naquela época, não distorcia o planeta tanto quanto mais tarde, em particular as planícies que cobrem a maior parte do hemisfério norte e que se presume serem o antigo fundo oceânico. A ausência de deformação crustal de Tharsis significa que os mares teriam sido menos profundos, contendo cerca de metade da água de estimativas anteriores.

É provável que Tharsis tenha expelido gases para a atmosfera, e que por sua vez estes produziram um aquecimento global ou efeito de estufa que permitiu com que a água líquida existisse no planeta, e também que as erupções vulcânicas criaram canais que permitiram que as águas subterrâneas alcançassem a superfície e preenchessem as planícies a norte.

O modelo também contesta outro argumento contra os oceanos: que as propostas linhas costeiras são muito irregulares, variando em altura até um quilômetro, quando deviam estar niveladas, como as linhas costeiras da Terra.

Esta irregularidade pode ser explicada se o primeiro oceano, de nome Arabia, começasse a ser formado há cerca de 4 bilhões de anos e existisse, de forma intermitente, durante os primeiros 20% do crescimento de Tharsis. O vulcão em crescimento teria abatido o solo e deformado a costa ao longo do tempo, o que poderá explicar as alturas irregulares no litoral de Arabia.

mapa atual de Marte

© UC Berkeley/R. Citron (mapa atual de Marte)

A imagem acima mostra um mapa atual de Marte, onde há uma possível linha costeira que pode ter sido esculpida por oceanos intermitentes há bilhões de anos atrás. Arabia (magenta), Deuteronilus (branco) e Isidis (ciano) são vistos no mapa. As linhas de contorno sólido representam o bojo de Tharsis (esquerda) e o bojo antipodal que criou (direita), e as linhas tracejadas indicam as depressões.

Da mesma forma, o litoral irregular de um oceano subsequente, chamado Deuteronilus, pode ser explicado caso se tenha formado durante os últimos 17% do crescimento de Tharsis, há cerca de 3,6 bilhões de anos atrás.

Tharsis, agora um complexo eruptivo com 5.000 km de diâmetro, contém alguns dos maiores vulcões do Sistema Solar e domina a topografia de Marte. A Terra, com o dobro do diâmetro e 10 vezes mais massiva, não possui uma característica dominante equivalente. O grosso de Tharsis cria uma protuberância no lado oposto do planeta e uma depressão a meio do caminho. Isto explica por que as estimativas do volume de água que as planícies ao norte podiam conter, com base na topografia de hoje, são o dobro das estimativas do novo estudo com base na topografia de há 4 bilhões de anos.

Michael Manga, professor de Ciências Planetárias e da Terra de UC Berkeley, que modela o fluxo de calor interno de Marte, como as plumas crescentes de rocha fundida que entram em erupção através de vulcões à superfície, tentou explicar as costas irregulares das planícies de Marte há 11 anos atrás com outra teoria. Ele e o ex-aluno Taylor Perron sugeriram que Tharsis, que na época se pensava ter originado em latitudes extremas ao norte, era tão massivo que fez com que o eixo de rotação de Marte se movesse vários milhares de quilômetros para sul, alterando as linhas costeiras.

No entanto, desde então outros mostraram que Tharsis teve origem apenas 20º acima do equador, derrubando esta teoria. Mas Manga e Robert Citron, estudante da UC Berkeley, tiveram outra ideia, a de que a costa pode ter sido esculpida à medida que Tharsis crescia, não depois. A nova teoria também pode explicar o corte de redes de vales por água líquida quase à mesma altura.

O próximo "lander" marciano da NASA, a missão InSight (Interior Exploration using Seismic Investigations, Geodesy and Heat Transport), pode ajudar a elucidar o problema. Com lançamento previsto para maio, colocará um sismômetro à superfície para sondar o interior e talvez encontre remanescentes congelados deste antigo oceano, ou até água líquida.

Um artigo foi publicado na revista Nature.

Fonte: University of California

quarta-feira, 21 de março de 2018

Explosões de buracos negros podem transformar exoplanetas

Uma equipe de astrofísicos e cientistas planetários previu que planetas semelhantes a Netuno localizados perto do centro da galáxia da Via Láctea foram transformados em planetas rochosos por explosões geradas pelo buraco negro supermassivo próximo.

ilustração da atmosfera de um mini-Netuno

© M. Weiss/CfA (ilustração da atmosfera de um mini-Netuno)

Estas descobertas combinam simulações de computador com dados de descobertas recentes de exoplanetas e observações de raios X e ultravioleta de estrelas e buracos negros.

O pesquisador Howard Chen, da Universidade Northwestern, e colaboradores do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics (CfA) em Cambridge, Massachusetts, examinaram o ambiente em torno do buraco negro supermassivo mais próximo da Terra: o buraco negro de quatro milhões de massas solares conhecido como Sagitário A*.

É bem conhecido que o material que cai no buraco negro durante abastecimento ocasional irá gerar brilhantes raios X e radiação ultravioleta. De fato, os telescópios de raios X, como o observatório Chandra, da NASA, e o XMM-Newton, da ESA, têm visto evidências de explosões brilhantes geradas no passado pelo buraco negro de 6 milhões de anos a pouco mais de um século atrás.

Os astrônomos consideraram os efeitos desta radiação de alta energia em planetas com massas entre a Terra e Netuno que estão localizados a menos de 70 anos-luz de distância do buraco negro.

Eles descobriram que o raio X e a radiação ultravioleta expeliram uma grande quantidade da espessa atmosfera gasosa destes planetas perto do buraco negro. Em alguns casos isso deixaria para trás um núcleo rochoso. Estes planetas rochosos seriam mais pesados ​​que a Terra, ou seja, são super-Terras.

Estas super-Terras são um dos tipos mais comuns de planeta que os astrônomos descobriram fora do nosso Sistema Solar.

Os pesquisadores acham que este impacto no buraco negro pode ser uma das formas mais comuns de as super-Terras rochosas se formarem próximas ao centro de nossa galáxia.

Embora alguns destes planetas estejam localizados na zona habitável de estrelas como o Sol, o ambiente em que eles existem seria desafiador para qualquer vida surgir. Explosões de supernovas e explosões de raios gama abafariam estas super-Terras, o que poderia prejudicar a química de qualquer atmosfera que permanecesse nestes planetas. Explosões adicionais do buraco negro supermassivo poderiam fornecer um golpe de nocaute e erodir completamente a atmosfera do planeta.

Estes planetas também estariam sujeitos às rupturas gravitacionais de uma estrela que passaria e que poderia arremessar o planeta para longe de sua estrela hospedeira que sustenta a vida. Tais encontros podem ocorrer com frequência perto do buraco negro supermassivo da Via Láctea, já que a região está repleta de estrelas. Quão lotado é no Centro Galáctico? Em cerca de 70 anos-luz do centro da galáxia, os astrônomos acreditam que a distância média entre os mundos rochosos é de 75 a 750 bilhões de quilômetros. Em comparação, a estrela mais próxima do Sistema Solar está a 40 trilhões de quilômetros de distância.

É geralmente aceito que as regiões mais internas da Via Láctea não são favoráveis ​​à vida. A probabilidade de panspermia, onde a vida é transmitida através de contato interestelar ou interplanetário, seria muito mais comum em um ambiente tão denso.

Existem desafios formidáveis ​​exigidos para detectar diretamente estes planetas. A distância até o Centro Galáctico é de 26.000 anos-luz da Terra, onde a região é abarrotada e o bloqueio da luz pela interferência de poeira e gás tornam a observação de tais planetas muito difícil.

No entanto, estes desafios podem ser enfrentados pela próxima geração de telescópios terrestres extraordinariamente grandes. Por exemplo, pesquisas por trânsitos com futuros observatórios como o European Extremely Large Telescope podem detectar evidências destes exoplanetas. Outra possibilidade é procurar por estrelas com padrões incomuns de elementos em sua atmosfera que migraram do centro da galáxia.

Um artigo descrevendo estes resultados foi publicado no periódico The Astrophysical Journal Letters.

Fonte: Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics

segunda-feira, 19 de março de 2018

Uma relíquia rica em metais

Esta cena idílica, repleta de galáxias brilhantes, tem algo realmente notável no seu núcleo: uma relíquia intocada do Universo primordial.

NGC 1277

© Hubble (NGC 1277)

Esta relíquia pode ser vista na grande galáxia no centro da imagem, uma galáxia lenticular chamada NGC 1277. Esta galáxia é um membro do famoso Aglomerado Perseus, um dos objetos mais massivos do Universo conhecido, localizado a cerca de 220 milhões de anos-luz de distância da Terra.

A NGC 1277 foi apelidada de "relíquia do Universo primordial" porque todas as suas estrelas parecem ter se formado a cerca de 12 bilhões de anos atrás. Para colocar isso em perspectiva, pensa-se que o Big Bang aconteceu a 13,8 bilhões de anos atrás. Repleto de bilhões de estrelas antigas e ricas em metal, esta galáxia é também o lar de muitos aglomerados globulares antigos: conjuntos esféricos de estrelas que orbitam a galáxia como satélites.

Somente, os aglomerados globuares da NGC 1277 são principalmente vermelhos e ricos em metais, muito diferentes dos aglomerados azuis e pobres em metais geralmente vistos em torno de galáxias de tamanho similar. Na astronomia, um metal é qualquer elemento mais pesado que o hidrogênio e o hélio; estes elementos mais pesados ​​são fundidos nos núcleos quentes de estrelas massivas e espalhados por todo o Universo quando estas estrelas explodem. Desta forma, o conteúdo de metal de uma estrela está relacionado à sua idade: as estrelas que se formam posteriormente contêm maiores quantidades de material rico em metal, já que as gerações anteriores de estrelas enriqueceram o cosmos do qual nasceram.

As galáxias massivas e seus aglomerados globulares são formados em duas fases: primeiro ocorre um colapso inicial acompanhado por uma explosão gigante de formação de estrelas, que formam aglomerados vermelhos ricos em metais, seguido de uma acumulação posterior de material, que traz o material azulado pobre em metal. A descoberta dos aglomerados vermelhos da NGC 1277 confirma que a galáxia é uma relíquia que ultrapassou esta segunda fase, levantando questões importantes para os astrônomos sobre como as galáxias se formam e evoluem: um tópico muito debatido na astronomia moderna.

Fonte: ESA

A Nebulosa do Caranguejo em ultravioleta

A Nebulosa do Caranguejo, também catalogada como M1, NGC 1952, Taurus A) é um remanescente de supernova localizado a cerca de 6.500 anos-luz de distância da Terra na constelação de Touro.

XMM-Newton (ultraviolet) Image of the Crab Nebula

© XMM-Newton (Nebulosa do Caranguejo em ultravioleta)

No centro da nebulosa há um pulsar, o remanescente de uma estrela que explodiu para formar a nebulosa. O pulsar gira em torno de 30 vezes por segundo, varrendo um feixe de ondas de rádio através da Galáxia.

Alguns dos materiais que cercam o pulsar foram ejetados antes da estrela explodir, e o resto foi expulso durante a supernova. O vento do pulsar escapa a alta velocidade, criando uma estrutura dinâmica ao interagir com o material ejetado.

A nebulosa está em expansão com velocidade aproximadamente de 1.500 km/s, como revelado por imagens tiradas alguns anos antes. Ao delinear isso, é possível identificar o ano em que a estrela explodiu, coincidindo com observações de astrônomos chineses em 1054 de uma estrela brilhante o suficiente para ser vista durante a luz do dia.

A imagem mostrada aqui está em luz ultravioleta obtida pelo telescópio XMM-Newton da ESA, que tem examinado o céu desde o ano 2000.

Embora o XMM-Newton seja principalmente um telescópio para observar raios X, o Monitor Óptico permite que as observações ópticas e ultravioletas sejam feitas simultaneamente com observações de raios X.

A imagem é uma composição de 75 imagens individuais efetuadas entre 2001 e 2015. Poucas imagens ultravioletas da Nebulosa do Caranguejo estavam disponíveis antes desta.

Parece que a emissão ultravioleta vem da “radiação sincrotrônica”, criada quando as partículas atômicas se espelham em torno de linhas do campo magnético.

A imagem XMM-Newton revela “aberturas” que recuam os lados leste e oeste da nebulosa. Pensa-se que um toróide magnetizado de material cercou a estrela antes de explodir, o que bloqueou as partículas de alta velocidade e, portanto, a radiação sincrotrônica.

As aberturas também são evidentes em imagens de rádio, embora a abertura oriental seja melhor definida devido aos aspectos intrincados em torno das bordas da imagem de rádio.

Esta imagem foi realizada como parte do estudo detalhado em vários comprimentos de onda da Nebulosa do Caranguejo, com imagens também tomadas em raios X, ondas de rádio, infravermelhas e ópticas.

Uma nova composição da Nebulosa do Caranguejo que inclui dados do Chandra, Spitzer e Hubble também foi lançada na semana passada, conforme imagem vista a seguir.

A Crab Walks Through Time

© Chandra/Spitzer/Hubble (Nebulosa do Caranguejo)

Fonte: ESA

O Disco do Céu de Nebra

O Disco do Céu de Nebra é considerado a ilustração mais antiga do céu noturno. Mas o que, exatamente ele mostra e por que ele foi feito?

Digital StillCamera

© Wikipédia (Disco do Céu de Nebra)

O Disco do Céu de Nebra, foi encontrado com um detector de metal em 1999 pelos caçadores de tesouro perto de Nebra, na Alemanha, no meio de algumas armas da idade do bronze.

O antigo artefato é feito de bronze, uma liga metálica de cobre e estanho, com aplicações em ouro, originária da Idade do Bronze, tem cerca de 30 centímetros de diâmetro, e foi associado com a Cultura Unetice, que habitou parte da Europa por volta dos anos 1.600 a.C. Ele reconstrui os pontos que representam as estrelas, um aglomerado representando as Plêiades, e o grande círculo e a forma de Lua Crescente representando o Sol e a Lua.

A proposta do disco ainda permanece desconhecida, algumas hipóteses incluem que ele poderia ser usado como um tipo de relógio astronômico, um trabalho de arte, ou um símbolo religioso.

Desde 2002 o disco pertence ao espólio do Museu Pré-Histórico de Sachsen-Anhalt em Halle. Avaliado em 11 milhões de dólares, alguns acreditam que o Disco do Céu de Nebra é somente um de um par, sendo que o outro disco ainda não foi descoberto.

Fonte: NASA

sábado, 17 de março de 2018

Hubble encontra relíquia galáctica vizinha "parada no tempo"

Os astrônomos colocaram o telescópio espacial Hubble numa missão à maneira do personagem Indiana Jones, a fim de descobrir uma antiga relíquia galáctica no nosso "quintal" cósmico.

NGC 1277

© Hubble (NGC 1277)

O aglomerado muito estranho e raro de estrelas permaneceu essencialmente inalterado nos últimos 10 bilhões de anos. Esta "ilha" estelar rebelde fornece novos e valiosos conhecimentos sobre a origem e evolução das galáxias há bilhões de anos atrás.

A galáxia, NGC 1277, começou a sua vida há muito tempo com um estrondo, furiosamente produzindo estrelas a um ritmo mil vezes superior ao que vemos hoje na nossa Via Láctea. Mas ficou calma abruptamente à medida que as estrelas envelheciam e se tornavam cada vez mais avermelhadas.

Embora o Hubble tenha visto galáxias "vermelhas e mortas" no início do Universo, nunca tinham sido encontradas conclusivamente nas proximidades. Devido à imensa distância das primeiras galáxias, são apenas pontos vermelhos nas imagens de céu profundo do Hubble. A NGC 1277 proporciona uma oportunidade única para ver uma destas galáxias de perto. "Podemos explorar estas galáxias originais em grande detalhe e analisar as condições do Universo primitivo," afirma Ignacio Trujillo, do Instituto de Astrofísica das Canárias na Universidade de La Laguna, Espanha.

Os pesquisadores descobriram que a relíquia galáctica tem o dobro das estrelas da nossa Via Láctea mas, fisicamente, corresponde a um-quarto do tamanho da nossa Galáxia. Essencialmente, a NGC 1277 encontra-se num estado de "desenvolvimento estagnado". Talvez, como todas as galáxias, começou como um objeto compacto mas não conseguiu acumular mais material para crescer em tamanho e formar uma magnífica galáxia em forma de moinho de vento.

Os cientistas dizem que aproximadamente uma em cada 1.000 galáxias massivas devem ser relíquias galácticas como a NGC 1277. Não ficaram surpresos ao encontrá-la, mas simplesmente consideram que estava no lugar certo à hora certa para evoluir desta maneira.

O sinal revelador do estado da galáxia reside nos antigos aglomerados globulares que a rodeiam. As galáxias massivas tendem a ter aglomerados globulares tanto pobres em metais (parecendo azuis) como ricos em metais (aparecendo vermelhos). Pensa-se que os aglomerados avermelhados se formem à medida que a galáxia se forma, enquanto os aglomerados azulados são trazidos por satélites menores engolidos pela galáxia central. No entanto, a NGC 1277 não tem praticamente aglomerados globulares azulados. "Há muito tempo que estudo os aglomerados globulares em galáxias e esta é a primeira vez que vejo isto," comenta Michael Beasley, também do Instituto de Astrofísica das Canárias.

Os aglomerados avermelhados são as evidências mais fortes de que a galáxia parou a sua formação estelar há muito tempo. No entanto, a falta de aglomerados azuis sugere que a NGC 1277 nunca cresceu através da fusão com outras galáxias circundantes.

localização das estrelas vermelhas e azuis na NGC 1277 e NGC 1278

© Hubble/Z. Levay (localização das estrelas vermelhas e azuis na NGC 1277 e NGC 1278)

A imagem acima mostra a localização das estrelas vermelhas e das estrelas azuis que dominam os aglomerados globulares nas galáxias NGC 1277 e NGC 1278. Mostra que a NGC 1277 é dominada por aglomerados globulares antigos e vermelhos. Isto é evidência de que a galáxia NGC 1277 parou de fazer estrelas novas há bilhões de anos atrás, em comparação com a NGC 1278, que tem mais aglomerados estelares jovens e azulados.

Em contraste, a nossa Via Láctea contém aproximadamente 180 aglomerados globulares azuis e vermelhos. Isto deve-se em parte ao fato de que a Via Láctea continua a canibalizar galáxias que passam demasiado perto no nosso Grupo Local de algumas dúzias de galáxias pequenas.

A NGC 1277 vive num ambiente marcadamente diferente. Situa-se perto do centro do aglomerado de galáxias Perseu, com mais de 1.000 galáxias, a 240 milhões de anos-luz de distância. Mas a NGC 1277 move-se tão depressa através do aglomerado, a 3,2 milhões de quilômetros por hora, que não consegue fundir-se com outras galáxias para recolher estrelas ou para puxar gás para alimentar a sua formação estelar. Além disso, perto do centro do aglomerado de galáxias, o gás intergaláctico é tão quente que não consegue arrefecer para condensar e formar estrelas.

A equipe começou a procurar galáxias neste estado no levantamento SDSS (Sloan Digital Sky Survey) e encontrou 50 galáxias compactas massivas. Usando uma técnica semelhante, mas numa amostra diferente, a NGC 1277 foi identificada como única, pois possui um buraco negro central que é muito mais massivo do que deveria ser para uma galáxia deste tamanho. Isto reforça o cenário de que o buraco negro supermassivo e o centro denso da galáxia cresceram simultaneamente, mas a população estelar da galáxia parou de crescer e de se expandir porque não tinha material do exterior.

O futuro telescópio espacial James Webb da NASA (com lançamento previsto para 2019) permitirá aos astrônomos medir os movimentos dos aglomerados globulares na NGC 1277. Isto proporcionará a primeira oportunidade de medir a quantidade de matéria escura que a galáxia primordial contém.

Os resultados foram publicados na revista científica Nature.

Fonte: Instituto de Astrofísica das Canárias

A Gaivota e o Pato

Vistas como gaivota e pato, estas nebulosas não são as únicas nuvens cósmicas que evocam imagens de voo.

NGC 2327, IC2177 e NGC 2359

© Raul Villaverde Fraile (NGC 2327, IC2177 e NGC 2359)

Mas ambas estão se aproximando desta ampla paisagem celeste que se estende por quase 7 graus no céu noturno da Terra na direção da constelação de Cão Maior.

A grande gaivota (no canto superior esquerdo) é composta por duas das maiores nebulosas de emissão catalogadas. A NGC 2327 é a mais brilhante e forma a cabeça da gaivota, sendo o corpo e as asas formados pela nebulosa mais difusa IC2177.

A envergadura impressionante da gaivota corresponderia a cerca de 250 anos-luz de comprimento com distância estimada de 3.800 anos-luz. No canto inferior direito, o Pato aparece muito mais compacto e abrangendo apenas cerca de 50 anos-luz, com uma distância estimada de 15.000 anos-luz.

Atingido por ventos enérgicos de uma estrela quente e extremamente massiva perto do seu centro, a Nebulosa do Pato é catalogada como NGC 2359. Nota-se que corpo e os apêndices alados do pato também poderiam receber outro nome lendário um pouco mais dramático, o Capacete de Thor.

Fonte: NASA

quinta-feira, 15 de março de 2018

Telescópio James Webb da NASA vai procurar água interestelar

A água é crucial para a vida. Mas como é que fazemos água? Para produzir H2O, não basta apenas misturar hidrogênio e oxigênio.

IC 2631

© ESO (IC 2631)

A imagem acima mostra a luz azul de uma estrela recém-nascida iluminando a nebulosa de reflexão IC 2631. Esta nebulosa faz parte da região de formação estelar de Camaleão.

Requer as condições especiais encontradas nas profundezas de nuvens moleculares frias, onde a poeira protege contra a destrutiva radiação ultravioleta e ajuda às reações químicas. O telescópio espacial James Webb da NASA examinará estes reservatórios cósmicos para obter novos conhecimentos sobre a origem e evolução da água e sobre outros blocos de construção dos planetas habitáveis.

Uma nuvem molecular é uma nuvem interestelar composta por poeira, gás e por uma variedade de moléculas que variam desde o hidrogênio molecular (H2) até compostos orgânicos complexos contendo carbono. As nuvens moleculares possuem a maioria da água no Universo e servem como berçários para estrelas recém-nascidas e seus planetas.

Dentro destas nuvens, nas superfícies de pequenos grãos de poeira, os átomos de hidrogênio ligam-se com o oxigênio para formar água. O carbono junta-se ao hidrogênio para formar metano. O nitrogênio junta-se ao hidrogênio para produzir amônia. Todas estas moléculas ligam-se à superfície de grãos de poeira, acumulando camadas geladas ao longo de milhões de anos. O resultado é uma vasta coleção de "flocos de neve" que são varridos por planetas infantis, fornecendo os materiais necessários para a vida como a conhecemos. "Se pudermos entender a complexidade química destes gelos na nuvem molecular, e como evoluem durante a formação de uma estrela e dos seus planetas, podemos avaliar se os blocos de construção da vida existem em cada sistema estelar," comenta Melissa McClure da Universidade de Amesterdã.

Para entender estes processos, um dos primeiros objetivos científicos oficiais do telescópio espacial James Webb será examinar uma região de formação estelar próxima para determinar quais os gelos aí presentes. "Nós planejamos usar uma variedade de modos e capacidades dos instrumentos do Webb, não só para investigar esta região, mas também para aprender a melhor maneira de estudar gelos cósmicos," comenta Klaus Pontoppidan do STScI (Space Telescope Science Institute). Este projeto aproveitará os espectrógrafos de alta resolução do Webb para obter as observações mais sensíveis e precisas em comprimentos de onda que medem especificamente gelos. Os espectrógrafos do Webb, NIRSpec e MIRI, fornecerão até cinco vezes a precisão de qualquer telescópio espacial anterior em comprimentos de onda do infravermelho próximo e médio.

A equipe, liderada por McClue e pelos pesquisadores Adwin Boogert (Universidade do Havaí) e Harold Linnartz (Universidade de Leiden), planeja ter como alvo o Complexo de Camaleão, uma região de formação estelar visível no hemisfério sul. Está localizado a cerca de 500 anos-luz da Terra e contém várias centenas de protoestrelas, as mais antigas com aproximadamente 1 milhão de anos.

A equipe usará os sensíveis detectores infravermelhos do Webb para observar estrelas por trás da nuvem molecular. À medida que a luz destas tênues estrelas de fundo passa através da nuvem, os gelos na nuvem absorvem parte da luz. Ao observar muitas estrelas de fundo espalhadas pelo céu, os astrônomos podem mapear os gelos em toda a expansão da nuvem e localizar onde se formam os diferentes gelos. Vão também ter como alvo protoestrelas individuais dentro da própria nuvem para aprender como a radiação ultravioleta destas estrelas nascentes promove a criação de moléculas mais complexas.

Os astrônomos também vão examinar os locais de nascimento de planetas, discos rotativos de gás e poeira conhecidos como discos protoplanetários que rodeiam estrelas recém-formadas. Serão capazes de medir as quantidades e as abundâncias relativas dos gelos até 8 bilhões de quilômetros da estrela jovem, pouco mais do que a distância orbital de Plutão no nosso Sistema Solar.

"Os cometas têm sido descritos como bolas de neve empoeiradas. Pelo menos parte da água nos oceanos da Terra foi provavelmente entregue pelos impactos de cometas no início da história do nosso Sistema Solar. Nós vamos observar os locais onde os cometas se formam em torno de outras estrelas," explicou Pontoppidan.

Para entender as observações do Webb, os cientistas precisarão de realizar experiências na Terra. Os espectrógrafos do Webb vão espalhar a radiação infravermelha num espectro. As diferentes moléculas absorvem a luz em determinados comprimentos de onda, ou cores, resultando em linhas espectrais escuras. Os laboratórios conseguem medir uma variedade de substâncias para criar uma base de dados de "impressões digitais" moleculares. Quando os astrônomos veem estas impressões digitais num espectro do Webb, podem então identificar a molécula ou família de moléculas que formaram as linhas de absorção.

"Os estudos de laboratório ajudarão a abordar duas questões importantes. A primeira é quais as moléculas presentes. Mas, igualmente importante, veremos como os gelos aí chegaram. Como é que se formaram? O que encontrarmos com o Webb ajudará a informar os nossos modelos e permitirá compreender os mecanismos da formação de gelo a temperaturas muito baixas," explicou Karin Öberg do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics.

O telescópio espacial James Webb será o principal observatório espacial infravermelho da próxima década. O Webb ajudará a Humanidade a resolver os mistérios do nosso Sistema Solar, a olhar além para mundos distantes em torno de outras estrelas e a pesquisar as misteriosas estruturas e origens do nosso Universo.

Fonte: Astrobiology Magazine

As primeiras entradas em seis catálogos

Cada viagem tem o primeiro passo e cada catálogo uma primeira entrada.

astros número 1

© Bernhard Hubl (astros número 1)

As primeiras entradas em seis catálogos bem conhecidos do céu profundo aparecem nestes painéis, da parte superior esquerda para a direita inferior, na ordem cronológica da publicação do catálogo original.

A partir de 1774, o número um do catálogo de Charles Messier é M1, o famoso crustáceo cósmico e supernova remanescente da Nebulosa do Caranguejo.

O catálogo New General Catalog (NGC) de J.L.E. Dreyer foi publicado em 1888. Uma galáxia espiral em Pegasus, a NGC 1, está localizada no centro do próximo painel.

No catálogo Index Catalog (IC) de Dreyer no próximo painel está IC 1, que é uma débil estrela dupla.

Agora reconhecido como parte do complexo de nuvens moleculares de Perseus, a nebulosa escura Barnard 1 começa a linha inferior, sendo descrito no Dark Markings of the Sky, um catálogo de 1919 da E. E. Barnard.

O Abell 1 é um distante aglomerado de galáxias em Pegasus, constando no catálogo de Rich Clusters of Galaxies de George Abell em 1958.

O painel final focaliza vdB 1, da pesquisa de 1966 de Sidney van den Bergh. A bonita nebulosa de reflexão galáctica azul é encontrada na constelação Cassiopeia.

Fonte: NASA

terça-feira, 13 de março de 2018

A galáxia espiral e uma supernova

Esta impressionante imagem do telescópio espacial Hubble mostra a majestosa galáxia NGC 1015, encontrada dentro da constelação de Cetus (A Baleia) 118 milhões de anos-luz da Terra.

NGC 1015

© Hubble (NGC 1015)

Esta imagem mostra a NGC 1015 de frente, com seus braços espirais simétricos e o brilhante bulbo central, criando uma cena semelhante a um fogo de artifício cintilante conhecido como Roda de Catarina.

A NGC 1015 tem um centro grande e brilhante, uma barra central de gás e estrelas, e braços espirais bem definidos. Esta forma faz com que a NGC 1015 seja classificada como uma galáxia espiral barrada, parecida com a Via Láctea. As barras são encontradas em cerca de dois terços de todas as galáxias espirais, e os braços desta galáxia parecem surgir de um pálido anel amarelo que circunda a própria barra. Os cientistas acreditam que um buraco negro localiza-se no centro das espirais barradas afunilando o gás e a energia dos braços exteriores para o núcleo através destas barras brilhantes, abastecendo o buraco negro e possibilitando o nascimento das estrelas no centro e construindo o bulbo central da galáxia.

Em 2009, uma supernova tipo Ia chamada SN 2009ig foi detectada na NGC 1015, um dos pontos brilhantes no canto superior direito do centro da galáxia. Estes tipos de supernovas são extremamente importantes: elas são causadas ​​por explosões de anãs brancas que possuem estrelas companheiras e sempre possuem o pico no mesmo brilho, 5 bilhões de vezes mais brilhantes do que o Sol. Sabendo o verdadeiro brilho destes eventos e comparando com seu brilho aparente, fornece aos astrônomos a oportunidade de medir distâncias no Universo.

Fonte: ESA

sábado, 10 de março de 2018

Uma visão mais ampla da Nebulosa Cabeça de Cavalo

Os dados de imagem combinados do telescópio espacial VISTA e do telescópio espacial Hubble foram utilizados para criar esta ampla perspectiva da paisagem interestelar em torno da famosa Nebulosa Cabeça de Cavalo.

Nebulosa Cabeça de Cavalo

© VISTA/Hubble/Robert Gendler (Nebulosa Cabeça de Cavalo)

A nuvem molecular empoeirada da região, captada em comprimentos de onda do infravermelho próximo, se espalha através da cena que cobre um ângulo de cerca de dois terços do tamanho da Lua cheia no céu.

Da esquerda para a direita, o imagem abrange um pouco mais de 10 anos-luz na distância estimada de 1.600 anos-luz da Nebulosa Cabeça de Cavalo. Também conhecida como Barnard 33, a Nebulosa de Cabeça de Cavalo ainda reconhecível está no canto superior direito, onde o brilho no infravermelho próximo evidencia um pilar empoeirado coberto com estrelas recém-nascidas.

Abaixo e à esquerda, está a nebulosa de reflexão brilhante NGC 2023, que é o ambiente iluminado de uma estrela jovem e quente. Obscurecendo nuvens abaixo da base da Nebulosa Cabeça de Cavalo e nos arredores da NGC 2023 devido à emissão de explosivos de jatos energéticos, estão os objetos Herbig-Haro, também associados com estrelas recém-nascidas.

Fonte: NASA

Arcos, jatos e choques perto de nebulosa

Esta série tentadora de nebulosas e estrelas pode ser encontrada cerca de dois graus ao sul da famosa nebulosa de Órion, que é formadora de estrelas.

objetos Herbig-Haro e NGC 1999

© Mark Hanson/Sakib Rasool (objetos Herbig-Haro e NGC 1999)

Para obter detalhes click na imagem acima.

A região possui abundantes estrelas jovens e energéticas que produzem jatos que atravessam o material circundante a velocidades de centenas de quilômetros por segundo. A interação cria ondas de choque luminosas conhecidas como objetos Herbig-Haro (HH). Por exemplo, o arco fluindo, à direita do centro, é catalogado como HH 222, também chamado de Nebulosa da Cachoeira.

Visto abaixo da Nebulosa da Cachoeira, está o HH 401 que tem uma forma distinta de cone. A nebulosa azulada brilhante abaixo e à esquerda do centro é a NGC 1999, uma nuvem empoeirada que reflete a luz de uma estrela variável embutida. Esta vista cósmica abrange mais de 30 anos-luz, perto da borda do Complexo da Nuvem Molecular de Órion, a cerca de 1.500 anos-luz de distância da Terra.

Fonte: NASA

sexta-feira, 9 de março de 2018

Verificando se o Universo está mais quente numa extremidade

Observado da Terra, o Universo parece um pouco mais quente numa extremidade do que noutra, pelo menos termos do fundo de micro-ondas cósmico (em inglês, "cosmic microwave background" ou CMB). Mas a questão que preocupa os cosmólogos é saber se este desequilíbrio no CMB é real ou se é um resultado do efeito Doppler.

o fundo de micro-ondas cósmico indicando um gradiente pelo Universo

© Matthew Savino (o fundo de micro-ondas cósmico indicando um gradiente pelo Universo)

Os cientistas Siavash Yasini e Elena Pierpaoli da Universidade da Califórnia do Sul em Dornsife, EUA, podem ter descoberto uma maneira de encontrar a resposta.

Tornado talvez mais famoso por Edwin Hubble, que o usou para mostrar que o Universo está se expandindo, o efeito Doppler é a aparente mudança na frequência das ondas eletromagnéticas devido ao movimento de corpos que viajam rapidamente pelo espaço. Ondas como a radiação eletromagnética - ondas de luz raios X, micro-ondas, etc. - parecem mudar de energia: aquelas que se movem em direção a um observador parecem ser mais altamente energéticas, ou mais quentes, do que realmente são. O contrário é verdadeiro para ondas que se afastam do observador, que parecem mais frias.

Os cientistas que olham para o céu vêm o espaço que segue atrás da Terra parecer mais frio do que o espaço adiante, mas não está claro se isso é apenas o efeito Doppler ou a observação de uma diferença verdadeira na temperatura do CMB. É um enigma que persiste há décadas.

Dado que a CMB é uma energia remanescente do Big Bang, quando todo o Universo expandiu a partir de um único ponto, os cosmólogos assumiram que está disperso uniformemente. A aparência de dois polos no Universo, um mais quente do que o outro, deve, portanto, ser resultado do efeito Doppler, um resultado da viagem do Sistema Solar pelo espaço.

É considerado que um lado da CMB só parece mais quente porque nos estamos se movendo na sua direção e o lado oposto parece mais frio porque nos estamos se afastando.

Os astrofísicos que medem a velocidade do Sistema Solar em relação à CMB podem ajustar os seus cálculos com base neste pressuposto, assim como os cosmólogos que estudam o Big Bang e as condições pouco depois.

Mas existe, afinal de contas, a possibilidade que este pressuposto seja um erro.

Se realmente existir um dipolo intrínseco na CMB, isto é, se um lado do céu for realmente e parcialmente mais quente do que o lado oposto, a velocidade que atribuímos ao Sistema Solar em relação à CMB estará incorreta. Isto afetaria a forma como os cientistas medem a velocidade de objetos distantes, como galáxias, e as teorias sobre o que aconteceu momentos após o Big Bang podem ser abaladas.

Executando cálculos para um estudo diferente, mas relacionado, Yasini e Pierpaoli, encontraram um detalhe interessante: o espectro de frequência da CMB, no céu e em média, diferirá caso o dipolo seja real e não apenas o resultado do efeito Doppler.

Em outras palavras, se a CMB for, de fato, mais quente numa extremidade do Universo do que na outra, a temperatura média medida em todo o céu será ligeiramente diferente do que se a CMB for realmente uniforme.

As descobertas de Yasini e Pierpaoli permitirão aos cosmólogos realizar a próxima geração de levantamentos da CMB a fim de determinar a natureza do dipolo CMB pela primeira vez, resolvendo o quebra-cabeças.

Se se revelar que uma porção do dipolo é real e não apenas resultado do efeito Doppler, os astrofísicos e astrônomos terão que recalibrar todas as suas medições a fim de obter uma visão mais precisa do Universo observável.

Igualmente importante, os cosmólogos que estudam o Big Bang e as condições do Universo inicial terão novas direções para explorar como e porque é que a CMB está dispersa de forma desigual e como o Universo veio a ser o que agora é.

Fonte: University of Southern California

Descoberto enorme sistema de material empoeirado ao redor de estrela

Os astrônomos usaram o telescópio espacial Hubble para descobrir uma vasta e complexa estrutura de poeira, com cerca de 240 bilhões de quilômetros de diâmetro, envolvendo a jovem estrela HR 4796A.

vasta e complexa estrutura de poeira ao redor da estrela HR 4796A

© NASA/ESA/G. Schneider (vasta e complexa estrutura de poeira ao redor da estrela HR 4796A)

Um anel de poeira brilhante, estreito e interno, já é conhecido ao redor da estrela e pode ter sido encurralado pela atração gravitacional de um planeta gigante invisível. Esta estrutura enorme recentemente descoberta em torno do sistema pode ter implicações no aspeto do sistema planetário ainda não visto em torno da estrela com 8 milhões de anos, que está nos seus anos formativos de construção planetária.

O campo de detritos é composto por poeira muito fina e foi provavelmente produzido a partir de colisões entre planetesimais perto da estrela, evidenciadas por um anel brilhante de detritos empoeirados vistos a 11 bilhões de quilômetros da estrela. A pressão da radiação da estrela, que é 23 vezes mais luminosa do que o Sol, expulsou a poeira para o espaço.

A estrutura exterior de poeira é como um tubo interno em forma de rosquinha que foi atingido por um caminhão. É muito mais prolongado numa direção do que na outra e, portanto, parece esmagado num lado, mesmo após termos em conta a sua projeção inclinada no céu. Isto pode ser devido ao movimento da estrela hospedeira através do meio interestelar, como uma onda de arco de um barco que atravessa um lago. Ou pode ser a influência de uma força de maré da anã vermelha (HR 4796B), companheira estelar, localizada a pelo menos 87 bilhões de quilômetros da estrela primária.

"A distribuição de poeira é um sinal revelador de quão dinamicamente interativo é o sistema interno que contém o anel," comenta Glenn Schneider da Universidade do Arizona, em Tucson, EUA, que usou o instrumento STIS (Space Telescope Imaging Spectrograph) do Hubble para sondar e mapear as pequenas partículas de poeira nas fronteiras exteriores do sistema de HR 4796A, um levantamento que somente a sensibilidade do Hubble consegue realizar.

"Não podemos tratar os sistemas de detritos exoplanetários como simplesmente isolados. Os efeitos ambientais, tais como interações com o meio interestelar e forças devido a companheiras estelares, podem ter implicações a longo prazo para a evolução destes sistemas. As assimetrias brutas da poeira externa dizem-nos que estão em jogo muitas forças (além da pressão de radiação da estrela progenitora) que movem o material. Observamos efeitos como este em alguns outros sistemas, mas este é um caso em que vemos um grupo de coisas acontecendo ao mesmo tempo," explica Schneider.

Hipótese há já muito tempo, a primeira evidência de um disco de detritos ao redor de uma estrela foi descoberta em 1983 pelo satélite IRAS (Infrared Astronomical Satellite) da NASA. Fotografias posteriores revelaram um disco de detritos visto de lado em torno da estrela Beta Pictoris. No final da década de 1990, os instrumentos de segunda geração do Hubble, que tinham a capacidade de bloquear o brilho de uma estrela central, permitiram que muitos outros discos fossem fotografados. Agora, pensa-se que tais anéis de detritos sejam comuns em torno das estrelas. Até à data foram fotografados cerca de 40 destes sistemas, em grande parte pelo Hubble.

Um artigo foi publicado na The Astronomical Journal.

Fonte: Space Telescope Science Institute

quinta-feira, 8 de março de 2018

Hubble observa atmosfera exoplanetária em detalhe inédito

Uma equipe internacional de cientistas usou o telescópio espacial Hubble para estudar a atmosfera do exoplaneta quente WASP-39b.

ilustração do exoplaneta Wasp-39b e sua estrela progenitora

© NASA/ESA/G. Bacon (ilustração do exoplaneta Wasp-39b e sua estrela progenitora)

Ao combinar estes novos dados com dados mais antigos, criaram o estudo mais completo até agora de uma atmosfera exoplanetária. A composição atmosférica de WASP-39b sugere que os processos de formação de exoplanetas podem ser muito diferentes daqueles dos nossos próprios gigantes do Sistema Solar.

A análise das atmosferas de exoplanetas pode fornecer novas informações sobre como e onde os planetas se formam em torno de uma estrela. "Precisamos olhar para fora para compreender o nosso próprio Sistema Solar," explica a pesquisadora Hannah Wakeford da Universidade de Exeter no Reino Unido e do STScI (Space Telescope Science Institute) nos EUA.

Portanto, a equipe britânico-americana combinou as capacidades do telescópio espacial Hubble com as de outros telescópios terrestres e espaciais para um estudo detalhado do exoplaneta WASP-39b. Produziram o espectro mais completo da atmosfera de um exoplaneta possível com a tecnologia atual.

O WASP-39b orbita uma estrela parecida com o Sol a cerca de 700 anos-luz da Terra. O exoplaneta está classificado como um "Saturno quente", refletindo a semelhança com o planeta Saturno do nosso Sistema Solar tanto em termos de massa como em termos de distância à sua estrela hospedeira. Este estudo descobriu que os dois planetas, apesar de terem uma massa similar, são profundamente diferentes de várias maneiras. Não só se desconhece a existência de um sistema de anéis em WASP-39b, como também tem uma atmosfera inchada livre de nuvens a alta altitude. Esta característica permitiu com que o Hubble penetrasse nas profundezas da sua atmosfera.

Ao dissecar a luz estelar filtrada através da atmosfera do planeta, foram encontradas evidências de vapor de água atmosférico. De fato, WASP-39b tem três vezes o conteúdo de água de Saturno. Embora os pesquisadores tenham previsto a observação de vapor de água, ficaram surpreendidos com a quantidade encontrada. Esta surpresa permitiu inferir a presença de uma grande quantidade de elementos mais pesados na atmosfera. Isto, por sua vez, sugere que o planeta foi bombardeado por grandes quantidades de material gelado que se reuniu na atmosfera. Este tipo de bombardeamento só seria possível caso WASP-39b se formasse muito mais longe da sua estrela progenitora em comparação com a sua distância atual.

A análise da composição atmosférica e a posição atual do planeta indicam que o WASP-39b provavelmente foi submetido a uma migração interna interessante, fazendo uma jornada épica pelo seu sistema planetário.

Tendo feito a sua incrível jornada para o interior, WASP-39b está agora 8 vezes mais próximo da sua estrela, WASP-39, do que Mercúrio está do Sol e demora apenas quatro dias para completar uma órbita. O planeta também tem bloqueio de marés, o que significa que mostra sempre o mesmo lado à sua estrela. Wakeford e a sua equipe determinaram que a temperatura de WASP-39b é de cerca de 750 graus Celsius. Embora apenas um lado esteja virado para a estrela hospedeira, poderosos ventos transportam calor do lado diurno ao redor do planeta, mantendo o lado escuro quase tão quente.

Olhando em frente, a equipe quer usar o telescópio espacial James Webb, com lançamento previsto para 2019, para captar um espectro ainda mais completo da atmosfera de WASP-39b. O James Webb será capaz de recolher dados sobre o carbono atmosférico do planeta, que absorve a luz em comprimentos de onda mais longos do que o Hubble pode ver. Wakeford conclui: "Ao calcular a quantidade de carbono e oxigênio na atmosfera, podemos aprender ainda mais sobre onde e como este planeta se formou."

Fonte: ESA

Brilhando com a luz de milhões de sóis

Na década de 1980, os cientistas começaram a descobrir uma nova classe de fontes extremamente brilhantes de raios X em galáxias.

ULX detectada na M51

© Hubble/Chandra (ULX detectada na M51)

Estas fontes foram uma surpresa, pois estavam claramente localizadas longe dos buracos negros supermassivos situados no centro das galáxias. No início, os pesquisadores acharam que muitas destas fontes ultraluminosas de raios X, ou ULXs (Ultraluminous X-ray Sources), eram buracos negros que continham massas entre 100 e 100.000 vezes a do Sol. Trabalhos posteriores mostraram que algumas delas podiam ser buracos negros de massa estelar, contendo até algumas dezenas de vezes a massa do Sol.

Em 2014, observações com o NuSTAR (Nuclear Spectroscopic Telescope Array) e com o observatório de raios X Chandra da NASA mostraram que algumas ULXs, que em raios X tinham uma luminosidade equivalente à produzida por vários milhões de sóis em todos os comprimentos de onda, eram objetos ainda menos massivos chamados estrelas de nêutrons. Estas são os núcleos gastos de estrelas massivas que explodiram. As estrelas de nêutrons normalmente contêm apenas cerca de 1,5 vezes a massa do Sol. Três destas ULXs foram identificadas como estrelas de nêutrons nos últimos anos. Os cientistas descobriram variações regulares, ou "pulsações", na emissão de raios X das ULXs, um comportamento que é exibido por estrelas de neutrões, mas não por buracos negros.

Agora, cientistas usando dados do Chandra identificaram uma quarta ULX como sendo uma estrela de nêutrons e encontraram novas pistas sobre como estes objetos podem brilhar tão intensamente. Esta recente ULX está localizada na Galáxia do Redemoinho, também conhecida como M51. A imagem composta da M51 contém raios X do Chandra (roxo) e dados ópticos do telescópio espacial Hubble (vermelho, verde e azul). A ULX está assinalada no círculo.

As estrelas de nêutrons são objetos extremamente densos, uma colher de chá do seu material teria uma massa superior a um bilhão de toneladas, tanto quanto uma montanha. A intensa gravidade das estrelas de nêutrons retira material de estrelas companheiras e enquanto este material cai em direção à estrela de nêutrons, aquece e brilha em raios X. À medida que mais e mais matéria cai sobre a estrela de nêutrons, chega um ponto em que a pressão dos raios X resultantes se torna tão intensa que afasta a matéria. Este ponto constitui o Limite de Eddington, quando os objetos tipicamente não conseguem acumular matéria mais depressa e liberar ainda mais raios X. O novo resultado mostra que esta ULX está ultrapassando o Limite de Eddington para uma estrela de nêutrons.

Os cientistas analisaram dados de arquivo recolhidos pelo Chandra e descobriram uma queda incomum no espectro de raios X da ULX, que é a intensidade de raios X medidos em diferentes comprimentos de onda. Depois de excluírem outras possibilidades, concluíram que a queda foi provavelmente de um processo chamado dispersão de ressonância do cíclotron, que ocorre quando as partículas carregadas (prótons ou elétrons) circulam num campo magnético. O tamanho da queda no espectro de raios X, chamado linha do cíclotron, implica forças de campo magnético que são pelo menos 10.000 vezes maiores do que as associadas com a matéria que espirala para um buraco negro de massa estelar, mas estão dentro do intervalo observado para as estrelas de nêutrons. Isto fornece fortes evidências de que esta ULX é uma estrela de nêutrons em vez de um buraco negro e é a primeira identificação do gênero que não envolveu a detecção de pulsações de raios X.

A determinação precisa da intensidade do campo magnético depende do conhecimento da causa da linha do cíclotron, prótons ou elétrons. Se a linha for da circulação de prótons, então os campos magnéticos em torno da estrela de nêutrons são extremamente fortes, comparáveis aos campos magnéticos mais fortes produzidos pelas estrelas de nêutrons e podem de fato ajudar a quebrar o Limite de Eddington. Estes fortes campos magnéticos podem reduzir a pressão dos raios X de uma ULX - a pressão que normalmente afasta a matéria - permitindo que a estrela de nêutrons consuma mais matéria do que o esperado.

Se a linha do cíclotron for da circulação de elétrons, em contraste, então a força do campo magnético em torno da estrela de nêutrons será aproximadamente 10.000 vezes mais fraco e, portanto, não é suficientemente poderosa para o fluxo sobre esta estrela de nêutrons superar o Limite de Eddington.

Atualmente, os cientistas não têm um espectro da nova ULX com detalhes suficientes para determinar a origem da linha do cíclotron. Para resolver este mistério, os pesquisadores planejam obter mais dados de raios X da ULX em M51 e procurar linhas do cíclotron em outras ULXs.

O artigo científico que descreve esta pesquisa, liderado por Murray Brightman do Instituto de Tecnologia da Califórnia, foi publicado na edição mais recente da revista Nature Astronomy.

Fonte: Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics